O exílio da maternidade

Depois que a gente ganha bebe, parece que começamos a ser vistos apenas como "pais", que deixamos de ser pessoas normais, sei lá.
Digo isso por mim, por experiência mesmo.
Depois que a Isa nasceu a gente meio que foi "abandonado"pelos amigos, os convites agora se limitam apenas aos aniversários, e olhe lá.
A gente deixa de receber convites para uma pizza, um cinema, um barzinho, um café…
Dai você pode pensar: ué chama os amigos para irem na sua casa!
Dai eu te respondo: Posso chamar sem nenhum problema, mas a gente já fica tanto em casa, que quer sair um pouco, arejar a cabeça, ver outras coisas.
Acho importante manter as amizades, mas acho mais importante ainda você manter aquelas que querem continuar sendo amizades, mesmo agora, que talvez você tenha que interromper o jantar e a conversa por umas 5 vezes para atender a criança.
Nossos passeios aqui em casa agora se limitam a casa dos parentes e shopping, parece que a gente não é mais interessante, parece que como se vira um botão, derrepente a gente deixou de ser amigos e viramos apenas pais.
Eu sempre fui do tipo que liga, manda email, se preocupa, compro um agradinho de vez em quando, não porque eu espero que façam isso comigo, mas porque eu gosto de fazer isso, de ser assim!
Mas percebi que não existe uma mão dupla nisso, então esta mais o que na hora de mudar.
A maternidade por si só já nos manda para um exilio involuntário, que por vezes ( muito mais para nós mães) é duro, dificil e dolorido.
Olhar pela janela e ver que a vida continua, o mundo tá ali do lado de fora, mas você de certa forma não pertence a ele dói, e por vezes, assim como aquele burrinho do sherek, você fica pulando e pedindo: escolhe eu! escolhe eu!
Mas dai você constata( pelas redes sociais, pelas fotos, pelo sumiço) que hoje quem é escolhido, é quem não precisa se preocupar se o restaurante tem ou não cadeirão, se tem trocador….
Triste mesmo é você perceber que o time passou, e que você hoje é visto apenas como alguém que se quiser passar um tempo com alguém tem que chamar pra ir na sua casa, porque ninguém quer a casa bagunçada por uma criança de dois anos!
Triste mesmo é você pertencer a uma igreja enorme, mas que no fundo você é apenas mais um ali.
Triste mesmo é você não poder compartilhar uma pizza com amigos, triste mesmo é você perceber que hoje seu melhor amigo é o computador.
Começo a perceber que preciso mudar meu circulo de amizades, que aqueles 400 e tantos contatos no facebook não passam de contatos mesmo e que por mais doido que seja, preciso aceitar que preciso de novos amigos, melhor ainda se eles tiverem filhos!
Sabe quando você espera por um convite para um café?
Sabe quando você espera por um convite para o cinema?
Sabe quando você espera um email perguntando sobre seu dia?
Sabe quando você espera um pacote pelos correios com uma barra de chocolate e uma cartinha?
Sabe quando você espera ser lembrado mesmo quando sabe que não cabe naquele tipo de ambiente, mas te convidam e vc fica feliz mesmo assim?
Sabe quando vc espera por alguém que te liga e fala que esta com saudades?
Pois é, cansei de esperar…..

11 comentários:

  1. Edilma disse...:

    Fernanda como vc relata exatamente o q eu sinto, e o que eu estou passando.. Já não sei mas o que fazer, meus amigos(ops: os q eu achava q eram meus amigos) me abandorama depois q o Lipe nasceu....muito triste isso.

  1. Cris Oliveira disse...:

    Ai, Fê... me sinto exatamente como você. Dói pra caramba mesmo.. Até me emocionei ao te ler porque me vi aqui com todas as vírgulas, pontos e exclamações. No início dá uma sensação de impotência, uma carência.. é triste ver a vida ir passando. Aos poucos a vida vai se ajeitando e até conseguimos voltar um pouquinho, mas, pelo menos no meu caso, não como antes. Também cansei de esperar.. Fica aqui meu abraço!
    beijokas
    Cris

  1. Edilene disse...:

    Eu digo o msm... faz mt tempo q não tenho amigos. Facebook prá mim é uma distração... somente! bjs

  1. Lilian disse...:

    Sabe Fê, acho q todas nós nos sentimos assim, mas como vc mesmo falou o jeito é ter amigos com "filhos" pois só assim compreenderemos e seremos compreendidas! bjs no coração
    Lilian Garcia

  1. Engraçado como penso o mesmo... mas do outro lado. Muitas vezes convidamos casais com filhos para ir a nossa casa, ou pra sair pra comer algo e eles não topam... E depois vejo fotos deles com outros casais com filhos... aí deixamos de chamar. Por aqui o que se ve é o contrário: nós, que não temos filhos pequenos, somos excluídos dos grupos e muitas vezes nem nos chamam para as festas de crianças, pq a gente não tem bebes... :(

  1. e com tudo isso e vira e mexe eu penso (será que é por isso que meus pais não tem amigos ???) será que foi depois que eu e meu irmão nascemos que ficou assim ??? pois é este mundo é mesmo complicado ... ja tive muitos dias feito este seu post .... ainda bem que eles passam e agente volta a se "conformar" com nossa nova realidade

    beijos e fica bem pq o mais importante vc ja tem que é esta familia linda !!!!

  1. Jana* disse...:

    Nossa! Vc disse TUDO!!!
    Tudo o que eu penso, tudo o que eu passo, com um pequeno detalhe de diferença e só. No meu caso somos só Ana Sofia e eu! Sem papai dormindo ao lado.
    E como vc, estou precisando aprender a desapegar...
    :)

  1. Renata disse...:

    Olá Fernanda, gostei do seu blog, da Isadoraaaaaa.. uma fofaa de branca de neve =)

    Com relação ao post, fique tranquila. No fundo é bem complicada essa situação, mas a verdade é que nesses momento é que descobrimos com quem podemos contar e quem são amigos de verdade. Agradeço sempre a deus pelos amigos que tenho... que indepentende de filho ou não estão sempre por perto. Mas lógico muito vão se perdendo e aos poucos nem ao mesmo dão mais noticias. Faz parte...

    Beijão

  1. Boa noite!
    Hoje por acaso estava procurando informações sobre a moleira das crianças (tenho uma filha de 1 ano e 3 meses) e acabei caindo no seu blog, num post seu de 2010!

    É impressionante como nós mães nos sentimos tão iguais!
    Moro aqui em Curitiba, mas a situação não muda não!

    Já passei por esse tipo de aprovação há 7 anos atrás, quando perdi minha mãe. As pessoas se distanciaram e tinham medo de ficar por perto.

    Agora com filha, voltou a acontecer.
    Sempre me sinto um incomodo perto dos outros.

    Sei que sentimos falta da convivência social com todos.
    Mas pelo menos pra mim, o sorriso da minha pequena compensa qqer chatiação que eu possa ter!

    Logo logo estaremos cercadas de pessoas com filhos a fim de passear, se divertir e estar com as crianças por perto.

    Vou continuar acompanhando seu blog...
    Adorei!

    Beijinho!

  1. muito interessante seu post, passo por isso , e sei bem como é... acompanho sempre, mais este post tive que postar, é real, é algo que acontece com muitos que não falam e fingem que ainda são cheios de amigos... bjs

  1. Uau! É exatamente assim. O que sempre senti mas sabe-se lá pq nunca consegui expressar.
    Uma coisa é fato, a amizade acaba quando você percebe que o amigo é só você!
    Beijos

    giuliabordo.com

Postar um comentário

COMENTE AQUI